OS QUE BEBEM COMO OS CÃES (1975), DE ASSIS BRASIL, DIANTE DA DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS NO SÉCULO XXI / OS QUE BEBEM COMO OS CÃES (1975), BY ASSIS BRASIL, FACING THE DEFENSE OF HUMAN RIGHTS IN THE TWENTY-FIRST CENTURY

Autores

  • Caio Henrique Medeiros Sousa (UFPI) Universidade Federal do Piauí
  • Wander Nunes Frota (UFPI)

DOI:

https://doi.org/10.5935/1984-6614.20210004

Palavras-chave:

Direitos humanos. Literatura. Ditaduras. Os que bebem como os cães. Assis Brasil.

Resumo

Nosso artigo considera a importância da literatura e da crítica literária na defesa dos direitos humanos no Brasil dos anos 1970 ao presente momento. Partimos de uma análise literária do romance Os que bebem como os cães (1975), de Assis Brasil, para averiguar sua relevância como documento histórico e instrumento de denúncia por meio das experiências vivenciadas por seu protagonista. Em seguida, apresentamos a discussão legada por Hernán Vidal (2020) sobre a questão das ditaduras na América Latina ao longo do século XX e a importância de mantê-la viva na memória. Por fim, revisitamos as teorias de Antonio Candido (1988) e seu conceito de arte literária, tomado como bem incompressível e necessário para a sobrevivência da alma brasileira.

 


Referências

BRASIL, A. Os que bebem como os cães. 3. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

CANDIDO, A. O direito à literatura. In: ______. Vários escritos. 5. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011, p. 171-193.

CARA, S. Percurso histórico-estético da ideia de formação. Literatura e sociedade, v. 24, n. 30, São Paulo, set. 2019, p. 40-55.

DALCASTAGNÈ, R. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Horizonte, 2014.

EBLE, L.; DALCASTAGNÈ, R. (Orgs.) et al. Literatura e exclusão. Porto Alegre: Zouk, 2017.

HOLLANDA, H. B.; GONÇALVES, M. A. A ficção da realidade brasileira. In: NOVAIS, A. (Org.) et al. Anos 70: ainda sob a tempestade (música, literatura, teatro, cinema, televisão). Rio de Janeiro: Aeroplano; SENAC-Rio, 2005, p. 94-159.

LUCAS, F. A crise da cultura literária no Brasil pós-1964. In: SOSNOWSKI, S.; SCHWARTZ, J. (Orgs.) et al. Brasil: o trânsito da memória. São Paulo: EdUSP, 1994, p. 131-139.

ONU – Organização das Nações Unidas. Declaração universal dos direitos humanos. Disponível em:

https://nacoesunidas.org/wpcontent/uploads/2018/10/DUDH.pdf. Acesso em: 21 abr. 2020.

PAIVA, M. Ainda estou aqui. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015.

SCHMIDT, R. Centro e margens: notas sobre a historiografia literária. In: EBLE, L.; DALCASTAGNÈ, R. (Orgs.) et al. Literatura e exclusão. Porto Alegre: Zouk, 2017, p. 87-105.

SPELLER, J. W. Bourdieu e a literatura. Tradução de Wander Nunes Frota. Disponível em: https://www.ufpi.br/arquivos_download/arquivos/EDUFPI/ebook_-_Bourdieu_e_a_literatura_-_Wander_Nunes20180809161626.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

VIDAL, H. Crítica literária como defesa dos direitos humanos: questão teórica (por uma sócio-história literária das Américas e do Caribe hispanoparlantes). Tradução de Wander Nunes Frota. Disponível em: https://ufpi.br/arquivos_download/arquivos/LIVRO_PROFESSOR_WANDER_EBOOK_120200312143715.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

Downloads

Publicado

2021-07-04

Edição

Seção

Tempo e memória