UM ESTUDO COMPARATIVO DAS MANIFESTAÇÕES DA EMPATIA NA OBRA CALL ME BY YOUR NAME / A COMPARATIVE STUDY OF THE EXPRESSIONS OF EMPATHY IN THE WORK CALL ME BY YOUR NAME

Autores

  • Natasha Guerrero Moreno (USP) Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5935/1984-6614.20210007

Palavras-chave:

Empatia. Literatura. Intersemiótica.

Resumo

Este estudo pretende investigar, no viés intersemiótico, as manifestações de empatia no romance norte-americano contemporâneo Call me by your name, de André Aciman, traduzido como Me chame pelo seu nome no Brasil e adaptado ao cinema em 2017, com roteiro de James Ivory, premiado como melhor adaptação no 90º Oscar pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. O livro e o filme em análise situam a discussão da empatia nos dois personagens principais, em suas relações individuais e com outros. Desse modo, a interpretação da narrativa literária e cinematográfica indica como essas expressões da empatia constituíram significados metafóricos relacionados à natureza, destacando os conceitos de identidade, intimidade e memória familiar judaica.

 

Biografia do Autor

Natasha Guerrero Moreno (USP), Universidade de São Paulo

Sou bacharel em Letras - Tradução e Interpretação (Inglês e Português) pela Universidade São Judas Tadeu, onde fiz Iniciação Científica em Literatura Comparada. Tenho experiência de voluntariado em tradução no projeto jornalístico Global Voices, como intérprete e professora de ESL para educação infantil. Atualmente, sou mestranda na USP em Estudos da Tradução.

Referências

ACIMAN, A. Call me by your name. Nova York: Picador, 2017.

_____. Me chame pelo seu nome. Tradução de Alessandra Esteche. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2018.

AZEVEDO, C. R. Instrumentos de avaliação da empatia: uma revisão sistemática da literatura. Monografia (Especialização em Psicologia). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

BEAUGRANDE, R. de. New foundations for a science of text and discourse: cognition, comunication, and the freedom of access to knowledge and society. Norwood: Ablex, 1997.

CALL Me by your name. Direção de Luca Guadagnino. FRA; ITA; EUA; BRA: Emilie Georges, Howard Rosenman, James Ivory, Luca Guadagnino, Marco Morabito, Peter Spears e Rodrigo Teixeira; Sony Pictures Classics, 2017. 1 DVD (132 min).

CARDOSO, J. Cinema e literatura: contrapontos intersemióticos. Revista Literatura em debate, v. 5, n. 8, [S. l.], jan./jul. 2011, p. 1-15.

CARVALHO, C. C. Identidade e intimidade: um percurso histórico dos conceitos psicológicos. Análise psicológica, v. 17, n. 4, Lisboa, dez. 1999, p. 727-741.

CORDEIRO, R. I. N. Informação cinematográfica e textual: da geração à interpretação e representação de imagem e texto. Ciência da informação, v. 25, n. 3, [S. l.], 1996, p. 1-19.

DAVIS, M. H. Measuring individual differences in empathy: evidence for a multidimensional approach. Journal of Personality and Social Psychology, v. 44, n. 1, Washington, 1983, p. 113-126.

EISENBERG, N.; STRAYER, J. Empathy and its development. Cambridge: Press Syndicate of the University of Cambridge, 1987.

FOUCAULT, M. Power/knowledge: selected interviews and others writings 1972-77. Nova York: Harvester Wheatsheaf, 1980.

FRANCISCO, A. C. Da literatura ao cinema: reflexões sobre comunicação para a paz em Me chame pelo seu nome. Educação, v. 16, n. 1, Guarulhos, 2021, p. 89-98.

GALINKIN, A. L. Judaísmo e identidade judaica. Interações: cultura e comunidade, v. 3, n. 4, Belo Horizonte, 2008, p. 87-98.

GOUWS, R. AFI Fest 2017: Timothée Chalamet on Call me by your name. American Film Institute, [S. l.], 9 nov. 2017, p. 1.

HATTNHER, A. L. Quem mexeu no meu texto? Observações sobre literatura e sua adaptação para outros suportes textuais. Revista brasileira de literatura comparada, v. 16, [S. l.], 2010, p. 145-155.

LOPES, O. de O. O discurso erótico do sujeito, sexualidade e identidade em “Me Chame Pelo Seu Nome”, de André Aciman. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Língua Portuguesa). Departamento de Letras e Língua Portuguesa, Universidade Federal Rural da Amazônia, Pará, 2021.

MARCUSCHI, L. A. Compreensão de texto: algumas reflexões. In: DIONÍSIO, A. P.; BEZERRA, M. A. (Org.). O livro didático de português: múltiplos olhares. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003, p. 48-61.

PAZ, O. O labirinto da solidão e post scriptum. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

SANTOS, M. A. dos; PEREIRA, J. E. V.; SHIRANE, T. Y.; ALVIM, V. Decifrar-se mutuamente: uma leitura psicanalítica da experiência amorosa no filme Me chame pelo seu nome. In: OKAMOTO, M. Y.; MAIA, B. B. (Orgs.). Leituras sobre a sexualidade em filmes: psicanálise e vínculos. v. 3. São Carlos: Pedro & João, 2020, p. 51-76.

SMESTAD, S. H. The spring is in the mountains: lakes, rain and waterfalls in Call me by your name. Tumblr, [S. l.], 2018.

VIANA, R. A.; VASCONCELOS, B. A. Uma autoconsciência iconográfica do corpo masculino em Me chame pelo seu nome. Intercom, n. 43, 2020, [S. l.], p. 1-15.

Downloads

Publicado

2021-07-04

Edição

Seção

Identidades