VILA DE UTOPIA: (RE)ERGUIDA PELA MEMÓRIA / VILA DE UTOPIA: (RE)CONSTRUCTED BY MEMORY

Autores

  • Miriam de Paiva Vieira (UFSJ) Professora adjunta Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). Departamento de Letras, Artes e Cultura.
  • Sophia Castro Dinelli (UFSJ) Universidade Federal de São João del-Rei

DOI:

https://doi.org/10.5935/1984-6614.20210012

Palavras-chave:

Memória. Carlos Drummond de Andrade. Écfrase arquitetônica. Intermidialidade.

Resumo

O presente artigo visa analisar a crônica Vila de utopia, de Carlos Drummond de Andrade, escrita em 1933, investigando os traços arquitetônicos existentes na obra, sobretudo, a partir das memórias do eu lírico que (re)constrói as ruas de sua cidade natal, Itabira, bem como se reencontra com a sua “casa espetacularmente azul” (ANDRADE, 2021). Será analisado, portanto, como esses espaços presentes na crônica são (re)construídos pela memória e seu impacto emocional, de modo a contextualizar histórica e culturalmente a forma como Itabira é revelada por meio de palavras em écfrases arquitetônicas que despertam sentidos, sua materialidade física e moral, assim como seu caráter ora performativo, ora contemplativo.


Biografia do Autor

Miriam de Paiva Vieira (UFSJ), Professora adjunta Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). Departamento de Letras, Artes e Cultura.

Miriam de Paiva Vieira é professora adjunta do Departamento de Letras, Artes e Cultura, UFSJ, onde atua no Programa de Mestrado em Letras. Doutora em Teoria da Literatura e Literatura Comparada (com mobilidade na Universidade de Lund, Suécia) pelo Poslit/UFMG, onde fez pós-doutorado financiado pelo programa PDJ/CNP. Membro das associações International Society for Intermedial Studies e IAWIS, do Grupo de Pesquisa Intermídia (CNPq) e do GT da Anpoll Intermidialidade.

Sophia Castro Dinelli (UFSJ), Universidade Federal de São João del-Rei

Graduanda em Letras - Língua Inglesa e suas Literaturas pela Universidade Federal de São João del Rei. Tem interesse na área de Literatura, outras Artes e Mídias, principalmente nos estudos sobre as relações entre literatura e arquitetura. Faz parte do grupo de pesquisas Intermídia: Estudos sobre Intermidialidade (certificado pelo CNPq)

Referências

ANDRADE, C. D. de. Vila de utopia. In: _____. Confissões de Minas. Rio de Janeiro: Aguilar, 2003, p. 212-213.

_____. Vila de utopia. Disponível em: http://www.viladeutopia.com.br/vila-de-utopia/. Acesso em: 19 abr. 2021.

CLÜVER, C. Inter textos / interartes / inter mídia. Aletria, v. 14, Belo Horizonte, jul.- dez. 2006, p. 9-39.

_____. A new look at an old topic: ekphrasis revisited. Todas as letras, v. 19, n. 1, São Paulo, 2017, p. 30-44.

ELLESTRÖM, L. (Org.). Beyond Media Borders, v. 1: Intermedial Relations among Multimodal Media. 1. ed. Cham: Palgrave Macmillan, 2020.

_____. Transferência de características das mídias entre mídias diferentes. In: _____. Midialidade: ensaios sobre comunicação, semiótica e intermidialidade . Porto Alegre: EdiPUCRS, 2017, p. 229-239.

FÜHRER, H.; BANASZKIEWICZ, B. The trajectory of ancient ekphrasis. In: JEDLICKOVA, A. (Ed.). On description. Prague: Akropolis, 2014, p. 45-75

LIDDELL, H. G.; SCOTT, R. A Greek English Lexicon. Oxford: Clarendon Press, 1996.

PINHO, M. H. S. C. A crônica em Drummond: um gênero em trânsito. Dissertação (Mestrado em Letras). Departamento de Literatura, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.

RAJEWSKY, I. O. Intermidialidade, intertextualidade e “remediação”: uma perspectiva literária sobre intermidialidade. Tradução de Thaïs Flores Nogueira Diniz e Eliana Lourenço de Lima Reis. In: DINIZ, T. F. N. (Org.). Intermidialidade e estudos inter-artes: desafios da arte contemporânea, v. 1. Belo Horizonte: Fale-UFMG, 2012, p. 15-45.

RODOLPHO, M. Um estudo dos procedimentos ecfrásticos. Codex, v.2, n.1, Rio de Janeiro, 2010, p.102-115.

_____. Écfrase e evidência nas letras latinas: doutrina e práxis. 1. ed. São Paulo: Humanitas, 2012.

ROSA, A. Palavra e terra de Carlos Drummond de Andrade em O cometa itabirano. Dissertação (Mestrado em Letras). Departamento de Literaturas de Língua Portuguesa, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2000.

SARLO, B. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Tradução de Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia da Letras, 2005.

VIEIRA, M. Écfrase: de recurso retórico na antiguidade a fenômeno midiático na contemporaneidade. Todas as letras, v. 19, n. 1, São Paulo, 2017a, p. 45-57.

_____. Écfrase arquitetônica: um modelo interpretativo. Aletria, v. 27, n. 2, Belo Horizonte, 2017b, p. 241-260.

_____. Dimensões da écfrase: a presença da pintura e da arquitetura em romances de artista. Tese (Doutorado em Letras). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

WEBB, R. Ekphrasis, Imagination and Persuasion in Ancient Rhetorical Theory and Practice. Surrey: Ashgate, 2009.

Downloads

Publicado

2021-07-04

Edição

Seção

Espaço-símbolo, espaço-tempo