LITERATURA E HISTÓRIA NO TEXTO DRAMÁTICO QUE FAREI COM ESTE LIVRO?, DE JOSÉ SARAMAGO / LITERATURE AND HISTORY IN THE DRAMATIC TEXT WHAT I WILL DO WITH THIS BOOK?, BY JOSÉ SARAMAGO

Autores

  • Eduarda Ramos Pontes Werneck (UERJ) Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5935/1984-6614.20210005

Palavras-chave:

Literatura. História. Dramaturgia. Saramago.

Resumo

Neste artigo será proposta uma análise quanto à escrita de José Saramago em seu texto dramático Que farei com este livro?. Será observado como o autor utiliza a sua vivência e sua ideologia como parte de seus escritos, tanto como romancista quanto como dramaturgo, com a finalidade de reconstruir a historiografia a partir de personalidades e períodos históricos, fazendo uso da memória para correlacionar momentos como Salazarismo e Sebastianismo, e utilizar personagens centrais como Camões e Dom Sebastião, retirando-os das mitificações impostas e reestruturando a história.

Biografia do Autor

Eduarda Ramos Pontes Werneck (UERJ), Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestranda em Estudos Literários pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), graduada em Letras - Português/Literaturas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), em 2018.

Referências

AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo. In: _____. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Tradução de Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009, p. 56-73.

AGUILERA. F. G. (Org.) Palavras de Saramago, catálogo de reflexões pessoais, literárias e políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

CAPUANO, C. S. A recepção da obra de arte em tempos de censura: o que nos ensina a peça Que farei com este livro?, de José Saramago. Interfaces, v. 2, Guarapuava, 2011, p.31-37.

CONRADO, I. S. Valores socioculturais nos romances de José Saramago: reflexões sobre literatura e sociedade. Baleia na rede, v. 1, n. 8, Marília, 2011, p. 130-144.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 6. ed. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

_____.Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Lígia M. Ponde Vassalo. Petrópolis: Vozes, 1987.

HUTCHEON, L. Poética do pós-modernismo – história, teoria, ficção. Tradução de Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

JORGE, S. R. Um livro e seus usos: Camões, Saramago e a escrita do Império. Abril, v. 3, Niterói, 2010, p. 23-29.

LE GOFF, J. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão et al. Campinas: UNICAMP, 1990.

LAVORATI, C.; TEIXEIRA, N. C. R. B. Diálogos entre literatura e história: a construção discursiva no novo romance histórico. Interfaces, v.1, n.1, Guarapuava, 2010, p.54-60.

LOPES, J. M. Saramago – biografia. São Paulo: Leya, 2010.

LOURENÇO, E. O labirinto da saudade: psicanálise mítica do destino português. 5. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

_____. Sebastianismo: imagens e miragens. In: _____. Mitologia da saudade. São Paulo: Companhia das Letras,1998, p.45-53.

MENDONÇA, J. E. M. O salazarismo segundo o teatro (perspectivas do teatro português sobre o Estado Novo). SAPILL – Estudos de literatura, n. 1, Niterói, 2016, p. 285-297.

MICHELLI, R. À barca camoniana: Que farei com este livro?, Saramago. Soletras, v. 2, n. 4, São Gonçalo, 2002, p.7-21.

PORTO, M. M. Estranhamento e familiaridade em O Reino, de Gonçalo M. Tavares: uma investigação sobre a maldade. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística). Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2020.

REMÉDIOS, M. L. R. José Saramago: ficção inovadora e criativa. Ipotesi, v. 15, n. 1, Juiz de Fora, 2011, p.163-172.

SARAMAGO, J. Que farei com este livro? São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SELIGMANN-SILVA, M. Reflexões sobre a memória, a história e o esquecimento. In: _____. História, memória e literatura. O testemunho na era das catástrofes. Campinas: UNICAMP, 2003, p. 59-89.

SEIXO, M. A. Saramago e o tempo da ficção. In: CARVALHAL, T. F.; TUTIKAN, J. (Org.) Literatura e história: três vozes de expressão portuguesa. Porto Alegre: URFGS, 1999, p. 92-100.

SILVA, L. S. O. C. O pensamento político na época de Catarina de Áustria e as mulheres no governo. RIDB, n. 10, ano 2, Lisboa, 2013, p.11640-11681.

SOARES, M. L. C. A re-invenção d´Os Lusíadas em Memorial do Convento de José Saramago. Humanitas, m. 58, São Paulo, 2006, p. 504-524.

TAUFER, A. L. A viagem em busca da identidade perdida no passado esplendoroso e a dessacralização do mito do descobridor português “n´A Jangada de Pedra”, de José Saramago. Nau literária, v. 2, Rio Grande do Sul, 2006, p. 1-11.

VICHINSKY, F. G. Do mito Camões ao outro Camões de José Saramago. Dissertação (Mestrado em Letras). Departamento de Letras Modernas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

Downloads

Publicado

2021-07-04

Edição

Seção

Tempo e memória