DO TEATRO DE RESISTÊNCIA AO BIODRAMA: A CRIAÇÃO DE UM GÊNERO TEATRAL NA AMÉRICA LATINA / FROM THE THEATER OF RESISTANCE TO BIODRAMA: THE CREATION OF A THEATRICAL GENRE IN LATIN AMERICA

Autores

  • Evelyn Fernanda Magueta (UNILA) Universidade de Integração Latino Americana - UNILA
  • Fernando Mesquita de Faria (UNILA) UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA - UNILA

DOI:

https://doi.org/10.5935/1984-6614.20210009

Palavras-chave:

Biodrama. Dramaturgia. Teatro contemporâneo.

Resumo

A trajetória exposta neste artigo permeia processos teatrais relacionados ao contexto sociopolítico argentino e demais expansões geográficas na América Latina. A criação de textos e personagens reais refletiu a tendência de produzir fatos, relatos, testemunhos e narrativas sobre a violência vivida nos períodos de ditaduras militares e experiências de guerras. Tais lembranças, que conduziram os processos artísticos, culminaram na criação do gênero teatral biodrama − encenação biográfica de pessoas vivas que contribui para a construção da memória e identidade de um povo −, conscientizando seus espectadores e ampliando o repertório do teatro contemporâneo latino-americano.

Biografia do Autor

Evelyn Fernanda Magueta (UNILA), Universidade de Integração Latino Americana - UNILA

Formação em Artes Cênicas, pela ECA/USP. Experiência na área educacional e artística, adquirida em instituições culturais, ensino superior e escolas. Mestranda no curso de pós Graduação em Literatura Comparada na UNILA. MBA em Gestão de Aprendizagem no Centro Universitário Uniamérica.  Direção e Atuação em Espetáculos Teatrais, Cinema e Filmes publicitários. Participação em Festivais de Teatro e Cinema Nacionais e Internacionais com premiações especiais. Diretora Artística da Cia Vida é Sonho- Companhia Teatral e Escola de Atores, com 15 espetáculos produzidos em Foz do Iguaçu/PR

Fernando Mesquita de Faria (UNILA), UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA - UNILA

Possui Doutorado em Teoria Literária pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, onde direcionou seus estudos à musicalidade e à atuação cênica na dramaturgia de Samuel Beckett. Concluiu o Mestrado em Artes pela Universidade Estadual de São Paulo - USP (Teoria e História do Teatro, 2004) e Bacharelado em Artes Cênicas pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (Formação de ator, 1992) . Foi Professor Substituto nos Cursos de Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina e da Universidade Federal de Uberlândia - UFU. É Professor Adjunto dos cursos Letras - Artes e Mediação Cultural e Cinema e Audiovisual, na Universidade Federal da Integração Latino-americana - UNILA, responsável pelas disciplinas Performance, Improvisação e dramaturgia, Tópicos em Artes Cênicas I e II, Direção de atores para vídeo etc. Foi coordenador do curso de Letras - Artes e Mediação Cultural da mesma Universidade, entre os anos 2017-2019. É professor titular no Programa de Pós-Graduação em Literatura Comparada - UNILA. Foi diretor e ator-pesquisador da Comparsaria Teatro (Grupo de Criação e Pesquisa da Linguagem Cênica, criado em 2000). Foi docente da Escola Macunaíma de Teatro - Profissionalizante para atores (2004/08). Tem experiência no campo de Artes Cênicas e Literatura, com ênfase em Processos Criativos, atuando nas seguintes áreas: Estudos da Performance, Direção Teatral, Atuação e Teoria Teatral. Atualmente, cumpre Estágio Pós-Doutoral na Universidade de Vigo - Espanha.

Referências

ARIAS, L. Mi vida después. Itinerario de un teatro vivo. Entrevista a Lola Arias, n. 162, Buenos Aires, enero-marzo 2012.

_____. Mi vida despúes y otros textos. Buenos Aires: Penguin Random House, 2016.

BASTOS, M. Vivi Tellas, criadora do biodrama: “As pessoas sempre me fascinaram”. Disponível em: https://bit.ly/3gETRIj. Acesso em: 5 abr. 2021.

BOAL, A. Teatro do oprimido e outras poéticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

_____. Augusto Boal. Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. Disponível em: https://bit.ly/3q8jRyN . Acesso em: 7 jun. 2021.

FALCÃO, R. O cárcere das nossas heranças: a narrativa testemunhal entre a perspectiva histórica e a literária na leitura do proyetcto 1980-2000 El tempo que heredé. Dissertação (Mestrado em Letras). Instituto Latino-Americano de Arte, Cultura e História da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, Foz do Iguaçu, 2020.

GALICH, M. Nuestros primeros padres. Havana: Casa de las Americas, 2004. (Colección Nuestros Países).

GAMBARO, G. Teatro 6, Atando cabos, Sin sosiego, Es necesario entender un poco. Buenos Aires: De la flor, 1996.

LEITE, J. Auto escrituras performativas: do diário à cena. As teorias do autobiográfico como suporte para a reflexão sobre a cena contemporânea. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas). Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

MUCCI, C. Entrevista a Vivi Tellas em Los 7 locos. Disponível em: https://bit.ly/3vKfM4W .Acesso em: 6 mar. 2021.

MARQUES, M.; VALÉRIO, D.; LOCCI, D. Entrevista a Janaína Leite e Marat Decasters. Disponível em: https://bit.ly/3wGGMng . Acesso em: 7 abr. 2021.

PAVIS, P. Dicionário de teatro. São Paulo: Perspectiva, 2001.

PELLETIERI, O. ¿A qué llamamos teatro emergente de los ochenta y los noventa? In: _____. História del teatro argentino en Buenos Aires. El teatro actual (1976-1998). Buenos Aires: Galerna, 2001, p. 20-35.

_____. Teatro argentino contemporâneo. Tradução de Maria A. K. Almeida. São Paulo: Iluminuras, 1992.

PEREIRA, V. Testimonios vivos, dramaturgia abierta: la guerra de Malvinas em campo Minado de Lola Arias. Revista de investigación teatral, n. 16, Barcelona, 2017, p. 299-323.

PISCATOR, E. Teatro político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

PUGLA, G. O. Pilares de la escena independiente argentina. Roberto Arlt en el teatro del Pueblo. Buenos Aires: Conicet y Universidad, 2011.

SOLER, M. Teatro documentário: a pedagogia da não ficção. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas). Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

TERRAIL, P. P. Saga rocambole: tomo 1: la herencia misteriosa. Tradução de Félix A. Polo. Disponível em: https://amzn.to/3wHeoS0. Acesso em: 18 jun. 2020. (Edição Kindle).

TORO, A. Periférico de objetos. Topografías de la hibridez: cuerpo y medialidad. Gestos: teoría y práctica del teatro hispânico, n. 40, Califórnia, nov. 2005, p. 13-41.

Downloads

Publicado

2021-07-04

Edição

Seção

Identidades