UMA VEZ E O MENINO DO PIJAMA LISTRADO: UMA ANÁLISE DO PROTAGONISMO INFANTIL ANTE O DEVER DE MEMÓRIA / ONCE AND THE BOY IN THE STRIPED PYJAMAS: AN ANALYSIS OF CHID PROTAGONSIM IN VIEW OF THE DUTY OF MEMORY

Autores

  • Émile Cardoso Andrade (UEG)
  • Mônia Franciele de Souza Dourado (UFG) Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5935/1984-6614.20210010

Palavras-chave:

Uma vez. O menino do pijama listrado. Infância. Metaficção historiográfica. Memória.

Resumo

Este estudo faz uma análise das obras Uma vez (2005) e O menino do pijama listrado (2006) com base no protagonismo infantil na literatura de teor testemunhal, construída a partir dos moldes da metaficção historiográfica. Entende-se que tais narrativas constituem lugares de memória, arquivos relevantes do passado que passam por constantes ressignificações no presente e funcionam como meio de reflexão sobre a barbárie. Nesse sentido, as reflexões de Nora (1993), Hutcheon (1991), Gagnebin (2009; 2011), e Ricoeur (2007) são importantes para a compreensão de que as presentes e futuras gerações devem ter como imperativo um dever de memória, em seu âmbito de justiça, rememoração, e reflexão de recusa de novos episódios traumáticos.

Biografia do Autor

Mônia Franciele de Souza Dourado (UFG), Universidade Federal de Goiás

Doutoranda no Programa de Letras e Linguística da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Referências

ADORNO, T. Educação após Auschwitz. In: COHN, G. (Org.) Theodor Adorno. Sociologia. São Paulo: Ática, 1986, p. 33-45.

AGAMBEN, G. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha: Homo Sacer III. Tradução de Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

BOYNE, J. O menino do pijama listrado. Tradução de Augusto Pacheco Calil. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

CÂMARA, G. O trauma, a fantasia e o Édipo. Cógito, v. 12, Salvador, 2011, p. 57-61.

GAGNEBIN, J. M. Lembrar esquecer escrever. São Paulo: 34, 2009.

_____. Walter Benjamin ou a história aberta. In: BENJAMIN, W. Magia e técnica: arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura, v. 1. São Paulo: Brasiliense, 2011, p. 8-19.

GLEITZMAN, M. Uma vez. 1. ed. Tradução de Marília Garcia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2017.

HUTCHEON, L. Poéticas do pós-modernismo. Tradução de Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. In: _____. Leslieux de mémoire, v. 1, Paris: Gallimard, 1993, p. 7-28.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos históricos, v. 2, n. 3, Rio de Janeiro, 1989, p. 3-15.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Unicamp, 2007.

SALGUEIRO, W. O que é literatura de testemunho (E considerações em torno de Graciliano Ramos, Alex Polari e André Du Rap). Matraga, v. 19, n. 31, Rio de Janeiro, jul./dez. 2012, p. 284-303.

SARMENTO-PANTOJA, T. A criança como outroridade: jogo ficcional e poética da temporalidade em Alfredo Garcia e Ondjaki. Abril, v. 10, Niterói, 2018, p. 187-198.

SELIGMANN-SILVA, M. Introdução. In: _____ (Org.). História, memória, literatura e testemunho na era das catás¬trofes. Campinas: Unicamp, 2003, p. 1-44.

_____. Narrar o trauma – a questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicologia clínica, v. 20, n. 1, Rio de Janeiro, 2008, p. 65-82.

XAVIER, A. B. As listras do passado: um olhar (nada) ingênuo para a história em O menino de pijama listrado de John Boyne. Revista Ave palavra, n. 14, Alto Araguaia, 2012, p. 1-12.

Downloads

Publicado

2021-07-04

Edição

Seção

Identidades