JUNKY, UM MEIO DE VIDA, E O GRITO CONTRA O CAPITALISMO NORTE-AMERICANO DOS ANOS 1940-50

Autores

  • Daniel Luiz Medeiros UNIANDRADE

Resumo

A partir da obra Junky, apresenta-se uma reflexão sobre o modo de vida beat. Por meio do personagem Bill, Burroughs faz, com naturalidade, uma crítica indireta à sociedade capitalista de sua época, à racionalidade exacerbada e ao ideal American way of life. A exaltação da racionalidade, fruto da filosofia ocidental, fora motivo de menosprezo do corpo. Burroughs, juntamente com outros beats, grita pela liberdade frente à sociedade proibicionista de então e pela santidade do corpo. A crítica ocorre não por meio de argumentos, mas a própria vida de Bill, marcada pelas drogas, é um protesto contra a sociedade. Essa postura de vida aproxima-se de algumas correntes filosóficas do existencialismo, que são citadas no artigo.

 

DOI: 10.5935/1984-6614.20170014

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BURROUGHS, W. S. Junky: drogado. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CHAVES JÚNIOR, W. W. O comissário do esgoto: coragem da verdade e artes da existência na escritura-vida de William Burroughs. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/3535/1/Wander%20Wilson%20Chaves%20Junior.pdf. Acesso em: 27 fev. 2017.

COMTE-SPONVILLE, A. Viver. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

DESCARTES, R. Discurso do método. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

DOUBROVSKY, S. Fils. Paris: Galilée, 1977.

FARAGO, F. Compreender Kierkegaard. Petrópolis: Vozes, 2006.

FEUERBACH, L. A essência do cristianismo. Petrópolis: Vozes, 2007.

GINSBERG, A. Introdução. In: BURROUGHS, W. S. Junky: drogado. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 5-9.

_____. Uivo. São Paulo: Globo, 2012.

KIERKEGAARD, S. A. O lo uno o lo outro: um fragmento de vida, v. 1. Madrid: Trotta, 2006.

NIETZSCHE, F. A genealogia da moral. 4. ed. Lisboa: Guimarães, 1983.

REALE, G. Platão: história da filosofia grega e romana. São Paulo: Loyola, 2007.

_____; ANTISERI, D. História da filosofia: de Nietzsche à Escola de Frankfurt. São Paulo: Paulus, 2006.

SARTRE, J. O existencialismo é um humanismo. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e representação, v. 1. São Paulo: UNESP, 2005.

Downloads

Publicado

2017-12-11

Edição

Seção

Arte e corporalidade