PARA UM LETRAMENTO LITERÁRIO SENSÍVEL NA ESCOLA

Autores

  • Mario Ribeiro Morais Universidade Federal do Tocantins - UFT
  • Márcio Araújo de Melo

Resumo

Apresentamos algumas contribuições dos estudos semióticos e da teoria da literatura para o ensino de língua e literatura em contexto escolar. Destacamos como contribuições para a recepção estética literária a mobilização dos percursos temáticos e figurativos e a leitura subjetiva, ambos aspectos norteadores do Letramento Literário Sensível. Dada a necessidade de proposição de estratégias de abordagem do texto em sala de aula, que formem o gosto do discente pela leitura literária, pretendemos contribuir para a prática docente, para a didatização da semiótica e da teoria da literatura, ao apresentarmos uma sequência metodológica de leitura de um plano de aula, a partir do conto Venha ver o pôr-do-sol, de Telles (1988).

 

DOI: 10.5935/1984-6614.20170023

Biografia do Autor

Mario Ribeiro Morais, Universidade Federal do Tocantins - UFT

Doutorando em ensino de língua e literatura pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Tocantins - UFT.

Referências

ABREU, M. Cultura letrada: literatura e leitura. São Paulo: ENESP, 2006.

APPIAH, K. A. Na casa de meu pai: a África na filosofia da cultura. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

ASSIS NETO, F. Alunos do ensino médio e literatura: conexões possíveis. Ribanceira l, v. II, n. 5, Belém, jul.-dez. 2015, p. 36-52.

BARROS, D. L. P. de. Teoria semiótica do texto. São Paulo: Ática, 2005.

BERTRAND, D. Caminhos da semiótica literária. Bauru: EDUSC, 2003.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. Tradução de Daniela Kern e Guilherme J. F. Teixeira. São Paulo: EDUSP, 2007.

CANDIDO, A. A literatura e a formação do homem. In: DANTAS, V. (Org.). Textos de intervenção. São Paulo: Duas Cidades, 34, 2002, p. 81-90. (Coleção Espírito Crítico).

COMPAGNON, A. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Tradução de Cleonice Paes B. Mourão. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

_____. Literatura para quê? Belo Horizonte: UFMG, 2009.

EAGLETON, T. Teoria da literatura: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FIORIN, J. L. Elementos de análise do discurso. 15. ed. São Paulo: Contexto, 2014.

FONTANILLE, J. Sémiotique et littárature: essais de méthode. Paris: PUF, 1999.

GENINASCA, J. O olhar estético. In: OLIVEIRA, A. C. de (Org.). Semiótica plástica. São Paulo: Hacker, 2004, p. 29-56.

GREIMAS, A. J. Da imperfeição. Tradução de Ana Claudia de Oliveira. São Paulo: Hacker, 2002.

ISER, W. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético, v. 2. São Paulo: 34, 1999.

JAUSS, H. R. A literatura como provocação: história da literatura como provocação à teoria literária. Lisboa: Vega, 1993.

_____. A estética da recepção: colocações gerais. In: LIMA, L. C. A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002, p. 67-84.

KLEIMAN, A. Oficina de leitura: teoria e prática. São Paulo: Pontes, 2013.

LANDOWSKI, E. Gosto se discute. In: _____; FIORIN, J. L. (Orgs.). O gosto da gente, o gosto das coisas. São Paulo: EDUC, 1997, p. 97-162.

_____. Para uma semiótica sensível. Educação & realidade, v. 30, n. 2, Porto Alegre, jul.-dez. 2005, p. 93-106.

_____. Jacques - le - juste: a la mémoire de Jacques Geninasca. Disponível em: http://epublications.unilim.fr/revues/as/2722. Acesso em: 10 jul. 2017.

_____. Sociossemiótica: uma teoria geral do sentido. Galaxia, n. 27, São Paulo, jun. 2014, p. 10-20.

LANGLADE, G. O sujeito leitor, autor da singularidade da obra. In: _____ ; ROUXEL, A.; REZENDE, N. L. de (Orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo: Alameda, 2013, p. 25-38.

MOISÉS, M. A criação literária: prosa I. 8. ed. São Paulo: Cultrix, 2005.

PETIT, M. A arte de ler: ou como resistir à adversidade. São Paulo: 34, 2009.

ROUXEL, A. Práticas de leitura: quais rumos para favorecer a expressão do sujeito leitor? Tradução de Neide Luzia de Rezende e Gabriela Rodella de Oliveira. Cadernos de pesquisa, v. 42, n. 145, São Paulo, jan.-abr. 2012, p. 277-283.

_____; LANGLADE, G.; REZENDE, N. L. de (Orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo: Alameda, 2013.

SANTOS, B. de S. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

_____. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: _____; MENESES, M. P. (Orgs.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010, p. 31-83.

STREET, B. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2014.

TEIXEIRA, L. Um rinoceronte, uma cidade: relações de produção de sentido entre o verbal e o não verbal. Disponível em: http://www.rhinoresourcecenter. com/index.php?s=1&act=pdfviewer&id=1314085230&folder=131. Acesso em: 17 jul. 2017.

_____. Leitura e interpretação de textos: contribuições da teria semiótica. In: RAMOS, D. V.; ANDRADE, K. dos S.; PINHO, M. J. de (Orgs.). Ensino de língua e literatura: reflexões e perspectivas interdisciplinares. São Paulo: Mercado das Letras, 2011a, p. 139-154.

TELLES, L. F. Venha ver o pôr-do-sol & outros contos. São Paulo: Ática, 1988.

TODOROV, T. A literatura em perigo. 4. ed. Tradução de Caio Meira. Rio de Janeiro: Difel, 2012.

ZILBERMAN, R. Estética da recepção e história da literatura. São Paulo: Ática, 2004.

_____. A leitura e o ensino da literatura. Curitiba: IBPEX, 2010.

Downloads

Publicado

2017-12-11

Edição

Seção

Literatura e (in)formação