Avaliação do consumo de drogas entre universitários do interior de São Paulo

Autores

  • Luiz Roberto Marquezi Ferro Universidade Paulista - Unip e Universidade Anhembi-Morumbi; Universidade Ibirapuera
  • Aislan José de Oliveira Gran Faculdade
  • Giovanna de Souza Gouveia
  • Amanda Thaynara Moreira da Silva
  • Manuel Morgado Rezende Universidade Metodista de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.55391/2763-7883.2023.2946

Palavras-chave:

Promoção de saúde, universitários, drogas ilícitas, drogas lícitas

Resumo

O consumo de drogas lícitas e ilícitas tem aumentado consideravelmente no mundo todo, sendo muito perceptível na população de universitários. Diante disso, este trabalho teve o intuito de avaliar quais drogas, lícitas ou ilícitas são mais consumidas por uma amostra da população universitária, bem como saber percentualmente os índices de dependência, consumo abusivo. Trata-se de uma pesquisa descritiva com uma população de 152 universitários do interior do Estado de São Paulo. Verificou-se um elevado consumo de álcool entre os estudantes avaliados, seguido pelo uso do tabaco e da maconha. Os resultados do estudo evidenciaram a influência dos fatores de risco para o uso de drogas e a importância dos fatores protetores para a prevenção do consumo abusivo de drogas.

Palavras-chave: Promoção de saúde, universitários, drogas lícitas e ilícitas

Biografia do Autor

Luiz Roberto Marquezi Ferro, Universidade Paulista - Unip e Universidade Anhembi-Morumbi; Universidade Ibirapuera

Doutor em Psicologia pela Universidade Metodista de São Paulo. Mestre em Promoção de Saúde pela Universidade de Franca. Possui pós graduação (especialização) em filosofia e ensino de filosofia (2011) pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais; em Saúde Mental e Atenção Psicossocial, pela Universidade Estácio (2020); em Neuropsicologia, pelo Instituto de Graduação e Pós Graduação - IPOG (2022) e em Psicologia Hospitalar, pela Universidade de Araraquara - UNIARA (2021). Possui graduação em Psicologia pela Universidade Paulista - UNIP (2011), graduação em Filosofia pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais (2007). Foi professor no Centro de Estudos da Arquidiocese de Ribeirao Preto e da Universidade São Judas Tadeu (SP). Atualmente é docente na Universidade Paulista - UNIP (Campus Araraquara) e da Universidade Anhembi-Morumbi (SP). Tem se dedicado a pesquisas nas áreas de consumo abusivo/dependência de álcool, tabaco e outras drogas na população geral e entre universitários; questões ligadas a violência; e promoção de saúde entre universitários. É membro fundador da Liga de Fenomenologia e Humanismo na Universidade São Judas Tadeu. Na clínica tem atendido clientes (pacientes) e supervisionado casos de profissionais na área da psicologia na Abordagem Fenomenológica Existencial Humanista.

Manuel Morgado Rezende, Universidade Metodista de São Paulo

Graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP, 1979), mestrado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas, 1993), doutorado em Saúde Mental pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP, 1999) e Pós-Doutorado em Psicologia da Saúde pela Universidade do Algarve (UALG), Portugal. Professor Titular da Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Professor aposentado da Universidade de Taubaté (UNITAU). Presidente fundador da Associação Brasileira de Psicologia da Saúde (ABPSA, 2006-2008 e 2015-2018). Editor da Revista Mudanças: Psicologia da Saúde (2008-2011). Membro da Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamenta. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia da Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: riscos à saúde mental e à vida, abuso de substâncias, prevenção e tratamento de dependência de drogas, paternidade e promoção de saúde grupal e comunitária. Editor Associado da Revista Psicologia Saúde & Doenças. Membro do Conselho Científico da Revista Latino-americana de Psicopatologia Fundamental.

Downloads

Publicado

2023-10-03