Psicologia e Cinema

Os estereótipos do terapeuta no audiovisual

Autores

  • Lucas Suisso Oliveira Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca,
  • Wanderson Fernandes Souza Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.55391/2763-7883.2023.2950

Palavras-chave:

cinema, estereótipos, terapeuta, psicologia

Resumo

Enquanto componente da mídia em geral, o cinema transmite signos e valores que podem influenciar os modos de pensar e agir da sociedade. O papel e a atribuição de diferentes profissionais são constantemente retratados pela mídia em geral, algumas vezes com precisão mas outras vezes de modo estereotipado. Com isso, objetivou-se investigar os estereótipos apresentados na indústria cinematográfica referentes aos profissionais de saúde mental, mais especificamente aqueles que praticam alguma modalidade clínica. Para tanto, utilizou-se o site Box Office Mojo, da empresa Internet Movie Database (IMDB) para a seleção dos 20 títulos mais assistidos em cada um dos últimos 20 anos. A análise da amostra resultou em 19 filmes contendo, no mínimo, um (1) personagem identificado enquanto profissional da área psicológica ou terapêutica. Entre os achados, evidenciou-se a sexualização da mulher, a imagem cômica do terapeuta, a recorrência de vilões e profissionais perversos, agentes sociais e aqueles que genuinamente desejam ajudar. Em conclusão, reitera-se a importância de novos estudos que atualizem tais concepções e avaliem a influência dos estereótipos no imaginário social da sociedade.

Downloads

Publicado

2023-10-03